Domingo, 5 de Dezembro de 2010

Sociedade Perdido no tempo

Numa ilha de Cabo Verde, capitalizada por uma cidade que muitas pessoas consideram à terceira melhor de Cabo Verde, com uma mentalidade bastante desenvolvida e liberal, na maioria dos assuntos. Na mesma Ilha aquilo que é considerado a segunda povoação mais desenvolvida, hoje denominada de cidade existe uma grande discrepância em termos de pensamento, modo de vida, a nível económico, etc. Esta é uma das sociedades mas atrofiado de Cabo Verde. Ou seja, as pessoas pesam pouco mas, querem falar muito, o resultado nos todos conhecemos. Muitas palavras mas, muito pouco de relevante. Ou então começam a falar da vida alheira, alias, é uma das poucas coisas que sabem fazer e muito bem.

Na referida localidade encontramos uma sociedade quase perdido no espaço, esta encontra-se a menos de 60 km do capital. Mas se quiser ir até lá tem de levantar as 5 h da manha e pegar os transportem que parte as 6 h, e para regressar tem de estar pronto ao meio dia, ou seja existe apenas um itinerário (localidade - Capital as 6:00 h, capital - localidade as 12:00h). Isto, minha gente, é muito pouco para um sítio que é chamado de cidade. Se no espaço esta assim, no tempo está completamente perdida, esta sociedade não consegui acompanhar os desenvolvimentos sociais, económico e muito menos político que aconteceu em cabo verde e no mundo nos últimos tempos.

 

A título de exemplos, temos uma cidade que não possui uma única empresa, se excluímos dessa classe piquemos comércios. Uma sociedade que depende quase exclusivamente da agricultura e da pesca, que é praticada de forma muito rudimentar. Praticamente não há circulação do dinheiro, existe uma carência enorme de impreendedorismo, as pessoas preferem guardar o seu dinheiro em casa, debaixo do colchão, nem se quer tem a audácia de deposita-lo num banco. Posso dar um exemplo, um caso verídico é que me deixa muito preocupado. Uma aluna de aproximadamente 13 ano apaixonada por seu professor de 25 anos comentou isso com a sua mãe, e esta em vez de aconselhá-la convida o professor para um jantar em sua casa. Com isso, ela tenta promover o relacionamento, só por causa estatuto do professor. Deixando de lado por exemplo a questão de que a sua filha é um pré-adolescente que não sabe quase nada da vida. Isto é mais um exemplo do atraso social que ali se vive.

 

E antes de terminar, quero pedir desculpas as pessoas da referida localidade que não engloba no perfil acima definido. Sei que ali também existe boas pessoas.

 

O que está aqui escrito não são críticas de uma pessoa do contra, mas sim, um grito de revolta e de insatisfação. “NHOS ABRI ODJO”, mas vale tarde do que nunca…

Publicado por IlidioPina às 10:47
Link do post | Comentar | ver comentários (6) | favorito

ILÍDIO DE PINA, Engenheiro Químico, Professor De Física

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Posts recentes

A desculpa do desrespeito...

Construção do "Novo" Lice...

Sobre a falta de valores ...

Sobre o Funcionamento do ...

Coligação política após o...

Arquivos

Dezembro 2014

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Janeiro 2012

Maio 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Agosto 2009

Julho 2009

Links

blogs SAPO

subscrever feeds